Da Redação

Um homem transgênero britânico foi ao hospital tratar uma dor que sentia na região abdominal e acabou descobrindo que, na realidade, estava grávido.

Segundo o New England Journal Of Medicine, Sam, que tem 32 anos, foi acompanhado pelo namorado ao hospital se queixando de uma estranha dor de estômago.

Chegando lá, disse aos médicos que seu nível de dor estava em oito, de zero a dez. Eles então mediram sua pressão e frequência cardíaca.

Como homem trans, ele informou aos médicos que não menstruava já há vários anos devido ao fato de se hormonizar com testosterona.

A princípio lhe foi recomendado remédios para dor abdominal e pressão arterial, segundo o relatório do hospital, além de uma avaliação de “caso não urgente”.

Algumas horas depois, mais alguns resultados de exames saíram e então veio o diagnóstico completo que surpreendeu a todos: O paciente tinha dor abdominal intensa, possíveis membranas rompidas e hipertensão em uma gravidez avançada, o que sugeria a necessidade de um possível trabalho de parto, que provavelmente a esta altura, já deveria ter acontecido.

Infelizmente era tarde e os médicos não detectaram batimento cardíaco do bebê. Na sala de cirurgia realizaram o parto e se confirmou que ele estava sem vida.

Daphna Stroumsa é bolsista do National Clinician Scholars Program e professora clínica de obstetrícia e ginecologia na Universidade de Michigan. Ela disse que Sam foi “corretamente” classificado como homem ai chegar ao hospital. Entretanto, justamente por isso, não foi considerada inicialmente a hipótese de gravidez.

“Às vezes, as classificações, incluindo as de raça e sexo, não conseguem captar a complexidade de nossos pacientes e nos impedem de tomar a melhor ação”, disse ela.

E acrescentou: “Então, no nosso caso … o sistema sexual binário – para nosso paciente ou para outras pessoas transexuais ou intersexuais – ainda não prevê estas informações adicionais”.

Daphna ainda disse esperar que o caso sirva para que a área médica tenha a mente aberta quanto a estas classificações para que casos como este sejam melhor atendidos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.