Da Redação

O Rio de Janeiro abriu um novo braço da polícia para atender os crimes de racismo e LGBTfobia. A Delegaria de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) presta um atendimento mais humanizados para todas as vítimas de preconceito como LGBTs, negros e qualquer tipo de intolerância.

Na unidade, cidadãos terão todas as informações necessárias para terem seus direitos assegurados, assim como poderão ser encaminhados a demais serviços públicos necessários.

Casos de discriminação religiosa também serão apurados pela unidade. Segundo a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), o Estado do Rio de Janeiro registrou aumento de 56% no número de casos de intolerância religiosa em comparação aos quatros primeiros meses de 2017.

A criação do Decradi vem pela Lei 5931/11 de autoria do deputado estadual Átila Nunes (MDB). “Com a Decradi, toda vítima de intolerância terá a sua queixa registrada com a tipificação penal adequada. A vítima será atendida pelo agente que vai encaminhá-la para o responsável da Decradi. Será um espaço mais humanizado, onde as vítimas receberão o apoio necessário”, disse ele.

A delegacia trabalhará junto com as outras unidades regionais, que também contarão, cada uma, com um agente treinado no assunto. Casos mais graves de discriminação serão todos encaminhados ao Decradi.

O aumento no registro de crimes de LGBTfobia, racismo e intolerância religiosa no Estado do Rio não é novidade. Segundo Marcio de Jagum, da Coordenadoria de Defesa e Promoção da Liberdade Religiosa, o aumento dos casos podem ter duas motivações: a conscientização da sociedade, que já não banaliza mais os casos de intolerância, e a credibilidade do órgão em lidar com essas situações. Disque Preconceito: (21) 2334-9550.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.