Por Evelyn Mackus para o Claro e Criativo

Quando o cinza da cidade grande se torna exaustivo e cair na estrada deixa de ser uma vontade para se tornar quase necessidade, o luxo dos hotéis fica por terra e a aventura fornecida pelo Ecoturismo mostra-se a melhor ideia. A equipe Claro e Criativo foi convidada pela Prefeitura de Bofete, cidadezinha de 14 mil habitantes no interior de São Paulo, a conhecer as belezas naturais disponíveis para quem tem a disposição de largar o asfalto por alguns dias.

O que encanta em Bofete é o intenso contato com a natureza promovido pelo local. Uma viagem de pouco mais de duas horas em um ônibus nos trouxe ao Morro do Bofete, cadeia rochosa que nomeia a cidade. A história foi contada pelo Diretor Municipal de Turismo, José Antônio Nicola, com a ajuda do simpático prefeito, Dr. Dirceo Antonio Leme de Melo: Quando o chão onde pisávamos era rota de quem se propunha a abrir estradas e conquistar terrenos séculos atrás, comida era deixada aos próximos aventureiros naquele morro. Desse ato se tornou conhecido por “Buffet”, algo como “banquete” — logo, o termo aportuguesou-se para Bofete.

Vista da capela presente no Espaço Castelo, com morro do Bofete ao fundo (Foto: Evelyn Mackus/Giovanna Souza)

O que visitar em Bofete:

Espaço Castelo – Complexo turístico localizado no Km 171 da Rodovia Castelo Branco responsável por sediar festas e celebrações

Endereço: Rodovia Castelo Branco, Km 171

Gigante Adormecido – Cadeia montanhosa que se assemelha a um homem gigante deitado e promove uma vista belíssima

Três Pedras –  Beleza natural que faz o cartão postal da cidade acessada por meio de trilha

Após um almoço reforçado no restaurante self-service Tempero Caseiro, que surpreende pela variedade e capricho, foi anunciada a partida para que conhecêssemos o Santuário das Três Pedras, o carro-chefe turístico do pequeno município. Guiados por uma estrada de terra “aberta a facão, foice e machado”, segundo Nicola, sentimos o ar fresco e a energia da roça preencher nossos pulmões enquanto víamos rebanhos encherem o horizonte.

Sinalização da trilha de acesso ao Sítio, com a primeira das Três Pedras ao fundo (Foto: Evelyn Mackus/Giovanna Souza)

Nosso destino era o Sítio Três Pedras, e foi dada a opção de chegar até lá através de uma trilha de pouco mais de 1km de extensão. Amarramos os tênis e partimos pela mata, imediatamente nos surpreendendo pela beleza das nascentes escondidas e pela qualidade de sinalização do trajeto. Havia uma placa a cada poucos metros, o que nos tranquilizava para a remota possibilidade de nos perdermos do resto do grupo.

Onde se hospedar em Bofete:

Sítio Três Pedras – Espaço entre a natureza com estrutura simples onde barracas podem ser montadas

Contato: https://www.facebook.com/TresPedrasEcoturismo/

Hotel Toca do Gigante – Único hotel da cidade, conta com estrutura confortável e varandas com vista privilegiada

Endereço: Rua Barão do Rio Branco, 30, Centro – Bofete – SP – 18590-000

Telefone: (14) 3883-1096

Cantina da Figueira – Pousada confortável e acolhedora no coração do Santuário das Três Pedras

Endereço: Rodovia Marechal Rondon, km 240 – entrar na Vicinal para Pardinho – Seguir até o Posto Pontal da Serra – Mais 4 km à sua frente você encontrará placas indicativas até a cantina – Bofete/SP (informações do site Solutudo)

Telefone: (14) 99612-0150 – (14) 3814-7596

Sinalização e camping montado pelo serviço da EcoCuesta de Botucatu (Foto: Alex Silva/Viajei Viciei)

Ao fim da caminhada, a recepção calorosa no local onde acamparíamos foi responsabilidade dos profissionais da EcoCuesta de Botucatu, região turística onde Bofete está inserida. Um chuveiro gelado e um jantar caipira legítimo nos esperavam — o banquete de feijão tropeiro, arroz carreteiro, churrasco caprichado na lenha e salada generosa ganhou o paladar dos jornalistas presentes, que trocavam experiências e risadas sob a luz da lua.

Após o jantar, retornamos às barracas já montadas pelos anfitriões — e a surpresa boa foi que uma fogueira e uma viola afinada nos aguardavam. Horas preciosas se passaram de contato com a natureza e muita música sertaneja de raíz, com menção de honra para os clássicos do bofetense Carreirinho, até que o som cessou quando a chuva ameaçou mostrar as caras. Nos retiramos para nossas barracas e dormimos confortavelmente acompanhados do som das gotas caindo incessantemente.

Vista do amanhecer nos morros próximos às Três Pedras (Foto: Evelyn Mackus/Giovanna Souza)

O amanhecer chegou, e a vista das Três Pedras parecia um presente de tão acolhedora. Partimos para um café da manhã com gosto de casa de avó na aconchegante Cantina da Figueira, onde a cozinheira Dona Neusa nos esperava com queijos, doces de leite e pães feitos à mão com matéria prima de seu próprio cultivo. O adorável ambiente não conta apenas com a copa, mas também funciona como pousada — e, pelo conforto vivenciado por uma simples refeição, é de se apostar que se hospedar com Dona Neusa seja um deleite à parte.

Onde comer em Bofete:

Restaurante Tempero Caseiro – Self-Service variado de comida típica do interior paulista

Endereço: R. Nove de Julho, 449 – Centro, Bofete – SP, 18590-000

Telefone: (14) 3883-1547

Cantina da Figueira – Cozinha caipira confortável no coração do Santuário das Três Pedras

Endereço: Rodovia Marechal Rondon, km 240 – entrar na Vicinal para Pardinho – Seguir até o Posto Pontal da Serra – Mais 4 km à sua frente você encontrará placas indicativas até a cantina – Bofete/SP (informações do site Solutudo)

Telefone:  (14)99612-0150 – (14)3814-7596

Restaurante do Zé Prego – Cardápio variado conforme o dia da visita

Endereço: Rua Humberto Cassetari 417 | Centro, Bofete – SP 18590-000

Telefone: (14) 38831330

De volta à cidade, conhecemos o Centro Cultural Municipal e, depois de uma coletiva de imprensa sobre o Plano Diretor de Turismo, conhecemos o delicioso trabalho de Carolina Vilhena na Queijaria Bela Fazenda. Os queijos caseiros postos para degustação ganharam o paladar e o coração dos jornalistas, especialmente o Queijo Azul de Bofete, iguaria que foi à Itália competir com os melhores queijos do mundo em setembro, e o queijo cremoso com ervas finas da artesã. Para a nossa alegria, os produtos em breve estarão à venda em São Paulo n’A Queijaria, localizada na Vila Madalena.

As Três Pedras que compõem o carro-chefe turístico da parte bofetense da EcoCuesta de Botucatu (Foto: Evelyn Mackus/Giovanna Souza)

O último almoço na cidade foi cortesia do Restaurante do Zé Prego, que servia rodízio de churrasco, maionese e farofa como prato do dia. Uma breve visita foi feita à FM Bofete, rádio local, e a volta para São Paulo foi composta por reflexões sobre o que havíamos acabado de viver. O amor dos cidadãos bofetenses pela própria terra é algo a se admirar, e a hospitalidade e o carinho com o qual fomos recebidos ficará para sempre em nossas memórias. Por fim, deixamos a cidade com gostinho de “quero morar lá”, encantados pela tranquilidade e bucolismo do ambiente. Bofete vai deixar saudades!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.