Da Redação

Os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo ganharam muitos direitos em muitas partes do mundo, como no Brasil onde casais LGBTs podem casar e ter filhos. Porém, a criminalização da homofobia não caminhou na mesma velocidade. A violência contra pessoas LGBTs ainda é comum e grande em boa parte do planeta.

Ser LGBT é considerado crime em 72 países, contra 92 em 2006. Já o casamento entre pessoas do mesmo sexo é legal em 23 países. As descobertas fazem parte da última pesquisa realizada pela Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexuais (ILGA).

Um dos autores do relatório, Aengus Carroll, disse à Fundação Thomson Reuters: “Os crimes de ódio estão sendo realmente notados no mundo. Assim, as proteções para pessoas que são feridas com base na orientação sexual estão aumentando”.

Embora o relatório observe esses avanços, ainda existem lugares no mundo onde ser abertamente gay pode resultar em morte. Há oito países no mundo, incluindo Irã, Arábia Saudita, Iêmen e Sudão, onde ser LGBT pode resultar na pena de morte.

“Não há lugar no mundo, no momento, em que eu diria que as pessoas LGBTs se sentiriam super seguras. Absolutamente nenhum lugar”, disse Carroll.

Direitos: Casais já podem adotar em muitos países, como Brasil e Portugal (Foto: Divulgação)

O relatório também aborda a situação atual na Chechênia, onde relatos horríveis de brutalidade e assassinatos surgiram no último mês, depois que a  Novaya Gazeta informou que mais de 100 homens gays e bissexuais com idade entre 16 e 50 anos foram detidos pelas autoridades locais.

Renato Sabbadini, diretor executivo da ILGA, disse: “o caso da Chechênia é o exemplo mais recente e horrível de tais abusos contra a liberdade mundial”.

“Sobreviventes expressaram temores de que as contas de mídia social de homens percebidos como sendo gay ou bissexual estão sendo cortadas e usadas para identificar e contatar outras pessoas que ainda não foram presas”.

Até o momento, 43 nações têm leis contra crimes de ódio relacionados à raça e orientação sexual.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.