Por Vinicius Martins

“Com uma pequena mochila nas costas é possível conhecer o mundo”. Ouvi tais palavras de um colega com quem viajei para diferentes lugares. Porém, essa ideia de malas pequenas nunca entrou na minha cabeça.

Mas, às vezes, faço o teste e caiu na estrada rumo à destinos próximos da cidade onde moro. Desta vez, peguei a estrada rumo a cidade de São Roque, no interior de São Paulo e a 60 km da Capital e 28,6 km de Cotia, onde fica a redação do Claro e Criativo.

Conhecida como “A Terra do Vinho”, São Roque é uma cidade pequena e conta com uma grande presença de moradores portugueses ou de descendentes. Por ser conhecida pelo vinho é claro que é preciso caminhar por videiras lindas e muito cheirosas. Não se espante, você pode ouvir o som do fado em uma tarde qualquer, já que portugueses habitam a cidade.

Quando a fome bater e o cansaço começar pare para comer em um dos diversos restaurantes portugueses que há na cidade.

A adega e restaurante Quinta do Olivardo é uma delas. O local mantém vivo as tradições vindas da Ilha da Madeira, região famosa por causa de Cristiano Ronaldo. Dependendo da época você pode participar de inúmeros eventos, como a festa de São Martinho, o Festival da Sardinha na Caçada e a Pisa da Uva.

A Quinta do Olivardo também promove periodicamente apresentações artísticas com a participação de diversos fadistas que interpretam sucessos acompanhados de violão e viola portuguesa, que emocionam o público.

A Adega e Restaurante Quinta do Olivardo está localizada no km 4 da Estrada do Vinho, em São Roque (SP), com acesso pelo km 58,5 da Rodovia Raposo Tavares (SP-270).

Vinho dos Mortos

A tradição de enterrar as garrafas de vinho, o chamado Vinho dos Mortos, surgiu em 1807, em meio à Guerra Peninsular, durante a invasão das tropas francesas em Trás os Montes e Beira Alta, Portugal. Conta a história que os invasores saqueavam as vilas, levando os alimentos e as bebidas e, para evitar o saque, algumas famílias passaram a enterrar sua produção de vinhos entre as pastagens, plantações e debaixo das adegas. Porém, o que ninguém imaginava é que isso pudesse interferir no sabor, deixando a bebida ainda mais saborosa.

Rabanada Portuguesa com sorvete é uma das opções para comer na Quinta do Olivardo (Foto: Divulgação)

Reconhecimento

O Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo reconheceu o trabalho desenvolvido pelo empresário Olivardo Saqui, proprietário da casa, em prol da cultura portuguesa. Para o fundador da Quinta do Olivardo, a homenagem recebida demonstra a importância da divulgação da cultura desses dois povos. “As relações seculares entre Brasil e Portugal se sobrepõem ao simples caráter de amizade e respeito, comumente atribuído à história em comum de dois países. Considero de total importância o fato de o país ter sido colonizado pelos portugueses, que deixaram como seu principal legado o idioma e as tradições que são mantidas vivas até hoje”, frisa.

Deixe uma resposta